Princípio Fundamental da Vida Franciscana

Vésperas de Profissão Religiosa!

O sol poente, coando pelos vitrais do Capítulo, ilumina as feições dos noviços. Á luz do sol, afogueiam-se as fisionomias num arroubo juvenil; amanhã, pelos votos sagrados passarão a filhos ditosos de São Francisco. E, ajoelhados diante da comunidade, com o coração nos lábios, pedem admissão aos votos religiosos:

“Veneráveis Padre, e diletos Irmãos em Cristo, rogo-vos por amor de Deus, da Bem-aventurada Virgem Maria, do Nosso Seráfico Pai Francisco e todos os Santos, vos digneis admitir-me à profissão na Ordem Seráfica, para fazer penitência…”

FAZER PENITÊNCIA, eis a que neste magno dever vai objetivo de suas aspirações futuras. Fazer Penitência! Eis a definição do caráter da vida franciscana.

Em abono de tal convicção podem invocar o testemunho do Seráfico Pai São Francisco, o qual, recordando os desígnios de sua vida, perpetuou o seu Testamento a grata recordação: “Concedeu-me o Senhor a graça de uma vida penitente…”

Com efeito, a penitência e a abnegação são a nota dominante na Regra observada por São Francisco e os seus Filhos.

* * *

Lapidares são as palavras que abrem a nossa Regra: “A norma de vida para os Frades Menores é a observância do santo Evangelho de Jesus Cristo”. E a Regra termina exortando: “Cumpramos à risca o santo Evangelho, conforme prometemos, de todo o coração.”

Depara-se algum contrasenso entre o corpo e a epígrafe da Regra? São Francisco, para quem o Espírito Santo esclarecida o sentido das Escrituras, descobriria na penitência do âmago das prescrições evangélicas?

O Pobrezinho de Assis tinha, sem dúvida, o dom de compenetrar-se das verdades divinas. Na interpretação das Escrituras não há meios de aproximá-lo daqueles que no Evangelho procuram a boa nova de uma redenção sem sacrifícios. São Francisco, reverente aos mistérios da Escritura, afasta-se dos que fazem do Evangelho um receituário vago de amor a Deus e ao próximo.

Não resta dúvida que o Evangelho é grata mensagem da Redenção. Tomado em conjunto, porém, pressupõe nossa cooperação, para nos remir da petulância dos sentidos, do pecado que assoberba nossa fragilidade. “Completo em meu corpo o que me falta à paixão de Cristo”, diz São Paulo Apóstolo, o mais ardente pregador do Evangelho.

Nossa cooperação participa do caráter da Redenção. Esta, porém, foi um portento de abnegação e sacrifício. Para assumir a forma de servo na Incarnação, o Filho de Deus obnubilou quanto possível a sua divindade. Mais tarde, teve de abandonar a forma de servo, quando sacrificou a sua humanidade pela salvação do mundo. Não estranha, pois, que a nossa cooperação seja de caráter penitente, na estrada real da Santa Cruz.

Toda a doutrina, todos os preceitos e conselhos do Evangelho culminam na exortação à penitência: “Quem não renunciar a si mesmo, não pode ser meu discípulo”. Este princípio é o fundamental da moral evangélica.

Francisco teve a ventura de penetrar o sentido do santo Evangelho, quando fez uma ordalia, para saber qual a norma de vida que devia seguir com os seus irmãos. Com simplicidade pediu ao sacerdote que abrisse, com sua mão ungida, o santo Evangelho, por três vezes atinou com o conselho de renunciar a tudo. Na terceira vez deu com os olhos na passagem: ” Quem quiser seguir-me renegue a si mesmo e abrace sua cruz”. O Santo compreendeu, então, ter achado a fonte da sabedoria evangélica. Desvaneceram-se as dúvidas. “Eia, pois, quem quiser abandonar tudo, venha à nossa companhia”.

Quando quis tarde, ultimar a redação da Regra, começou com as palavras: ” A vida dos Frades Menores é observar o santo Evangelho de Jesus Cristo”. E as diversas prescrições da Regra, formulou-as tão conformes à penitência, como não o fizera nenhum Fundador antes dele. No fim da Regra declara não exceder-se em suas exigências impondo a observância pura e formal do santo Evangelho. “Para observarmos o Evangelho, conforme prometemos, de todo o coração”. A interpretação ascética do Evangelho, muito apreciada na Igreja de Deus, colhe seu maior triunfo na Regra de São Francisco.

* * *

Fonte: “Os Mananciais da Vida Franciscana”, Cap. 1 A Individualidade Franciscana, pelo Rev. Pe. Frei Galo Haselbeck, O. F. M. – 1933

Primeiro Sábado do Mês: O Coração de Maria é o Modelo de Pureza

Oração Preparatória

Ponde-vos na presença de Deus, oferecei-lhe a vossa meditação, pedi-lhe luz, atenção e santos afetos.

Primeiro Prelúdio

Imaginemos ver Maria SS. no ato em que oferece todo o seu Coração a Deus e que o Eterno Pai lhe diz: Tu és a minha filha dileta: em ti encontro as minhas delícias.

Segundo Prelúdio

Peçamos ao Senhor que, pelos merecimentos do SS. Coração de Maria, nos conceda a graça de imitarmos a sua pureza o melhor que possamos, para merecermos ser agradáveis a sua divina Majestade e a esta tão cara Mãe.

O Coração de Maria é o Modelo de Pureza

O Coração que não foi nunca manchado com nódoa alguma de culpa, é por certo o mais puro e o mais perfeito: e por consequência um coração que se deve considerar como o modelo verdadeiro da pureza. Foi o Coração SS. de Maria o único que nunca jamais contraiu mancha alguma. Foi isento de todo o pecado desde a sua conceição. Foi livre de toda a culpa atual, ainda a mais ligeira, por isso teve Maria SS., depois de Jesus Cristo, o Coração mais puro que imaginar se pode. É pois o seu Coração o modelo da pureza mais perfeita que se pode encontrar entre as criaturas. Alma religiosa, para que andais vós formando ideias vagas da santidade? A verdadeira santidade depende principalmente de que vós conserveis a vossa alma livre de todo o pecado. Um coração em que se albergue a culpa, é objeto de horror aos olhos puríssimos de Deus, porque pelo pecado se tornou impuro e abominável. Não julgueis que seja só o pecado mortal que torna a alma fria e repelente aos olhos do Senhor; é também o pecado venial deliberado que torna imundo o coração. Se o não faz abominável e de todo execrável na sua divina presença como o pecado mortal, torna-o pelo menos pouco agradável e desconsolador. Ah! Aquela frieza voluntária no serviço de Deus, aquela negligência nas obrigações do vosso estado, aquelas impaciências contínuas, as dissipações tão repetidas nos vossos exercícios de piedade, quanto mancham a vossa alma! Não obrou assim a SS. Virgem. Ela queria ser unicamente do seu Deus, por isso queria que o seu Coração lhe fosse semelhante.

Para o obter, Maria estudava continuamente as perfeições divinas e as retratava em si quanto lhe era possível. Não detestava só a culpa grave, mas a mais leve falta; e era tão primoroso o seu cuidado, tão solícita a vigilância com que se afastava de qualquer coisa que pudesse desagradar a Deus, que, com a graça abundantíssima que lhe foi concedida, se conservou sempre pura da mais ligeira imperfeição. Eu sei bem que nós não podemos aspirar a tão eminente santidade, pois foi um privilégio raríssimo, exclusivamente concedido a Maria SS.; mas sei também que podemos, ajudados com a graça que Nosso Senhor não nega a ninguém e que nunca falta, ser mais solícitos em nos aperfeiçoarmos. Sei que de nós depende não cairmos naquelas faltas que todo os dias contraímos por nossa negligência. Sei que podemos atender com mais exatidão ao cumprimento dos nossos deveres e a à guarda dos sentidos. Fizemos as nossas vistas sobre o Coração puríssimo de Maria e façamos todo o possível por copiar em nós os lineamentos deste modelo perfeitíssimo de pureza. É um verdadeiro engano o daquelas almas a quem se figure que Maria SS. chegou a tão alta santidade só por que foi confirmada em graça e por ter recebido abundantes e especiais auxílios de Deus para esse fim, por isso não podia ter procedido de outro modo. Sim, foi confirmada em graça, teve do ALtíssimo todos os auxílios possíveis, mas a liberdade da sua correspondência era pleníssima e da sua inteira correspondência derivou a sua tão grande santidade. Começai também vós, ó alma religiosa, ó alma cristã, a corresponder deveras á graça, e ver-se-á crescer de mais em mais em vós a perfeição e a santidade. Convencei-vos portanto que o nosso viver com tantos defeitos e pecados, não é porque nos falte aquele benigníssimo Senhor, com os seus auxílios, não: Ele não falta, nós é que faltamos em lhe corresponder. Começai pois desde já e formai bons propósitos de fiel correspondência.

fonte: “meditações e práticas devotas em preparação para a festa do sagrado coração de maria – pelo Rev. Pe. josé de manfredini, S.J. – 1900

Vídeo: “Os Irmãos Franciscanos”

Paz e Bem!

Caros leitores, hoje dia de São Miguel Arcanjo, festa Patronal de nosso Convento, lançamos um vídeo sobre a vida e vocação dos nossos Irmãos Franciscanos. Inscreva-se em nosso Canal no Youtube: Bona Ventura.

Lançaremos uma série de publicações, destinadas ao maior conhecimento da vocação de Irmão Franciscano.

O Rosário converte melhor que os discursos

São Domingos de Gusmão recebendo o Rosário da Virgem Maria

Um teólogo distinto por sua ciência julgou-se autorizado a criticar a atitude de São Domingos quando este pregava o Rosário no Languedoc. “Não é,” dizia ele, “por meio da Ave Maria repetida cento e cinquenta vezes que poderemos convencer os hereges, mas sim por sábias explicações da Escritura.” A Mãe de Misericórdia compadecendo-se desse espírito transviado, dignou-se desiludi-lo por uma visão. Ele viu-se com muitas pessoas á margem de um grande rio, que era preciso atravessar e cujas águas rápidas ameaçavam traga-las. Atemorizado com o perigo, o nosso teólogo olhava em torno de si, quando avistou São Domingos, que lançou sobre o rio uma ponte, na qual se elevavam cento e cinquenta torres; depois tirando do abismo cada um dos náufragos acomodou-os nas torres, donde lhes prodigalizou toda sorte de cuidados. Finalmente levou-os a um jardim delicioso, onde a Santíssima Virgem, assentada sobre um trono deslumbrante, distribui uma coroa a todos aqueles que São Domingos lhe apresentava. Vendo is, o teólogo quis adiantar-se também para receber a sua coroa, porém Maria mostrou-lhe um rosto severo e advertiu-lhe que fosse mais dócil, mais simples na fé e que não se deixasse levar pela extravagância dos seus pensamentos.

Tendo despertado, compreendeu o culpado que o rio tão agitado representava o mundo, onde tantas almas naufragam; que a ponte lançada sobre o rio por São Domingos era a devoção do Rosário composto de cento e cinquenta Ave Marias, as quais são outras tantas torres, onde os cristãos podem encontrar um abrigo contra suas paixões e escapar do naufrágio da condenação eterna. O doutor confessou seu erro e volveu a melhores sentimentos. Tornou-se mesmo um apóstolo zeloso da devoção do santo Rosário, e reconheceu logo, por experiência, que este meio de conduzir as almas a Deus opera mais eficazmente que os mais eloquentes discursos.

São Domingos na luta contra a heresia dos Albigenses

“Tenho exercido a missão de pastor e de pregador durante muitos anos”, dizia um santo sacerdote, tenho pregado sobre todos os assuntos do melhor modo que me foi possível, nada desprezei de tudo o que podia instruir, comover e converter as almas que me eram confiadas, mas vendo que trabalhava em vão, e que o fruto de meus trabalhos não correspondia á minha expectativa, resolvi-me a fazer o sacrifício dos discursos estudados, que tinha até então recitado, para experimentar se conseguiria melhor resultado pregando simplesmente sobre a devoção do Rosário, explicando as súplicas que ele contém e os mistérios que são o seu fundamento. Eu tinha posto de lado esta excelente prática, apesar dos remorsos da minha consciência; mas confesso que em menos de um ano fizeram-se mais conversões em minha paróquia do que durante os trinta anos precedentes, quando eu recitava discursos estudados pacientemente”.

Não estão estes avisos de acordo com a doutrina de Santo Afonso, o qual recomenda aos pregadores nada inculcar tanto ás almas como grande meio da oração, e sobretudo o recurso á Mãe de Misericórdia? Convencido da eficácia do Santo Rosário, ele ordena aos seus missionários que o recitem com o povo antes do sermão da tarde, acompanhando-o de uma breve explicação dos mistérios, afim de instruir os ouvintes. A experiência tem provado que se podem tirar desta prática os frutos mais abundantes.

Procissão de Corpus Christi

Um bispo da Espanha, não conseguindo, apesar de todos os esforços de seu zelo, reprimir os depravados costumes dos seus diocesanos, teve a ideia de pregar a devoção do Santo Rosário, a exemplo de São Domingos. Tendo os fiéis abraçado este exercício, em pouco tempo contaram-se numerosas conversões. A ignorância, a impiedade, o desregramento dos costumes e outros vícios foram substituídos pela oração, pela penitência, pela frequência dos Sacramentos e pela prática de todas as virtudes cristãs. Este zeloso prelado, não podendo agradecer suficientemente a Deus pela mudança operada em sua cidade episcopal, ordenou aos vigários da sua diocese que empregassem o mesmo meio, e todos obtiveram o mesmo sucesso; o que transformou a face de toda a diocese.

Quantos exemplos de conversões individuais vem apoiar estes fatos gerais! Maria não é chamada em vão Estrela dos Mares; esta é realmente uma das significações do bendito nome. Ora, a estrela só é útil de noite, sobretudo para aqueles que estão em pleno mar.

Estes são, segundo São Boaventura, os infelizes pecadores. Caídos do navio da graça, rodeados das trevas do pecado, veem-se jogados de um para outro lado entre as ondas do século, sempre expostos ao naufrágio eterno. Para os pôr em segurança, bastaria somente exortá-los a afastarem-se de tantos perigos, e gritar-lhes com São Bernardo: “Se não quereis ser submergidos pela tempestade, olhai para a Estrela” – Isto é, considerai o que é Maria em suas grandezas, em seu poder e bondade; vede-a nos mistérios da Redenção: como ela partilha as alegrias, as dores e as glórias de seu Filho; como ela trabalha com Ele para iluminar, salvar o gênero humano perdido. Contemplai no reino dos escolhidos, coroada Rainha no mais alto dos Céus; e, admirando sua dedicação para com os homens, especialmente para com os pecadores, reanimai vossa confiança e proponde-vos invocá-la afim de que ela vos estenda uma mão protetora no meio dos perigos que vos cercam.

É deste modo que se deveria falar aos infelizes culpados para conduzi-los a Deus. Desde que os tenhamos convencidos a recorrer á Mãe de Misericórdia, á Rainha do Santo Rosário, pode-se esperar que a sua conversão seja sincera e perdurável.

Confissão

Um moço que se tinha entregado ao vício da impureza, não ousava revela-lo na confissão, e contudo aproximava-se algumas vezes da Santa Mesa. Um dia este jovem ouviu um Sermão do Padre Conrado, Dominicano e pregador do Rosário. Seu coração foi conquistado por esta devoção; fez-se inscrever na confraria e começou a tributar á Rainha do céu a homenagem de seus louvores. Ó prodígio! Apenas recitara o Rosário durante três dias, sentiu sua alma inundada repentinamente pelo sentimento de uma fé viva compunção. A lembrança dos seus desregramentos não lhe deixou desde então o mínimo repouso, e ele foi obrigado pelos remorsos a apresentar-se no tribunal da penitência para purificar-se de seus sacrilégios. O Rosário tinha-lhe proporcionado a graça de vencer a tentação da vergonha. Além disto essa devoção comunicou-lhe mais força para resistir aos assaltos de um hábito inveterado, e a calma sucedeu ás agitações de sua alma. Recuperou a paz que há muito tempo não gozava, e que é o prêmio da guerra que se faz a si próprio e ás suas paixões.

Eis o que pode o Rosário, quando é recitado com sincera resolução de emenda! Não é ele, neste sentido, o meio por excelência de converter os corações? Não é a melhor eloquência pregar sobre a prática dele e ensinar a todos os homens a recitá-lo com proveito?

Um mouro, na idade de vinte anons, filho de um príncipe turco, ficando prisioneiro num combate, foi levado para Compostela como escravo.

Reduzido a não ter senão pão e água, sem que pessoa alguma viesse curar as cruéis feridas que lhe cobriam o corpo, caiu no mais terrível desespero. Blasfemava tão horrivelmente e com tanto furor, que Deus permitiu aos demônios dele se apoderassem. São Domingos foi vê-lo, mas encontrou-o extremamente apegado ao maometismo. Á força de instâncias, o Santo chegou a ensinar-lhe a oração dominical e a saudação angélica, e assegurou-lhe que recuperaria a saúde, se recitasse o Rosário em honra de Maria. O mouro nisso consentiu, e logo que o fez os demônios o deixaram. Uma grande consolação se fez sentir em sua alma, e ele não tardou em ser curado de suas feridas. Restituído á saúde pediu para ser instruído na fé cristã e recebeu o batismo com o nome de Eliodato. Obtida a liberdade, continuou em toda sua vida, conforme o conselho de São Domingos, a recitar piedosamente o Rosário em honra de Maria.

Oh! Quantos pecadores inveterados, quantos pecadores escravizados pelo hábito, saíram de seu túmulo com o auxílio da cadeia preciosa do Rosário, que nos liberta da servidão vergonhosa das paixões e nos concilia a liberdade de filhos de Deus!

Batismo

O mouro de quem acabamos de falar, mal recitou o Pater e Ave, desejou logo ser instruído e pediu o batismo; tanto é verdade que a oração bem mais que os discursos opera conversões.

Um último traço, mais recente e que não está consignado em livro algum , acabará de nos convencer desta verdade. Há poucos anos os Padre Redentoristas pregavam uma missão na Normandia. Pelo fim dos exercícios um homem veio procurar um dos missionários e disse-lhe: “Meu Padre, tendes diante de vós o maior celerado que tem existido sobre a terra. Tenho cometido desde longos anos toda a sorte de crimes. Trabalhei mesmo para malograr esta missão, minhas impiedades, minha impurezas; impelindo as crenças, afim de atrair as maldições divinas sobre a paróquia e impedir que ela correspondesse aos vossos esforços!… Não faz ainda três dias, meu Padre, que eu vos esperei á noite em um caminho por onde deveis passar, e minha intenção era imolar-vos ao meu furor. Eu não podia suportar a ideia do bem, tanto estava depravado; hoje venho a vós completamente mudado e não sei como”. -“Não tendes sobre vós um escapulário?” Perguntou-lhe o missionário, “Uma Medalha Milagrosa ou algum outro objeto piedosos?” -“Não, meu Pai, não tenho nada.” -“Não recitais a Ave Maria ou o Terço?” – “Faz sete anos, meu Padre, que minha mãe, no momento de deixar para sempre este mundo, me chamou para perto do seu leito, e me fez prometer, como última lembrança, que recitaria todos os dias o Terço. Acedi e cumpri fielmente a minha palavra; somente uma vez estando embriagado não passei de três dezenas. Mas podeis compreender, meu Padre, á vista da vida depravada que eu levava, como não seriam bem recitados estes Terços!” – “Meu filho”, respondeu-lhe o Padre, “ficai certo que é a esta prática que deveis a vossa conversão”. O culpado confessou-se e tornou-se um cristão fervoroso. Algum tempo depois assegurou que para confessar-se cada mês com o mesmo missionário, estaria pronto a fazer três léguas a pé. Prova evidente da sinceridade de sua conversão!

Ó Maria, eu vos direi com Santo Idelfonso, vós sois aquela de quem está escrito: “Deus disse: Que a luz se faça: e a luz se fez”. Ó luz pura, bela luz, luz que resplandeces no céu, iluminai a terra, amedrontai o abismo; luz que guiais aqueles que se transviam, reanimai aqueles que desfalecem, mostrai-nos nossas máculas, erguei-nos de nossa ruínas, brilhai no meio das nossas trevas, dai saúde aos enfermos, alegria aos que choram. Iluminai os pecadores para conduzi-los á penitência, e guiai á glória eterna todos aqueles que esperam e confiam em vós.

Assim seja.

Ramalhete Espiritual

Religiosa rezando o Rosário

Recitando a Ave Maria, tenhamos a intenção de abranger todos os pecadores da terra nestas últimas palavras: “Rogai por nós, pobre pecadores – Ora pro nobis pecatoribus.”

Refere Santo Afonso, que uma senhora, achando-se ás portas da morte, não queria perdoar a seu marido a quem odiava mortalmente. Um bom sacerdote que lhe assistia, não sabendo mais que meios empregar para converte-la, pôs-se a recitar o Rosário. Chegando á última dezena, isto é, depois de ter repetido pouco mais ou menos cinquenta vezes: “Rogai por nós, pobre pecadores”, o sacerdote achou a doente transformada. Perdoou de boa vontade a seu esposo e morreu nas melhores disposições.

* * * DOCE CORAÇÃO DE MARIA, SEDE A NOSSA SALVAÇÃO! * * *

fONTE: “trinta e uma meditações sobre a excelências do santo rosário” – primeiro dia: o rosário converte melhor que os discursos – Pelo Padre Luiz bronchain, redentorista – Edição: 1913
Copilado por: Frei Serafim Maria, O. F. M. Sub

NOTICIA SUCINTAS SOBRE A ORDEM TERCEIRA DE S. FRANCISCO

O que é a Ordem Terceira?

Beato Luquésio e sua esposa Buonadona, primeiros Terciários.


Em 1208, tinha S. Francisco de Assis fundado a Ordem dos Irmãos Menores, que denominaram mais tarde com o seu nome (latino: “Franciscus”) Franciscanos. Foi a sua “primeira’* Ordem. Em 1212 foi S. Clara de Assis revestida por ele com a libré da pobreza, tornando-se a mãe das “Damas Pobres” ou Clarissas. Era a “segunda” Ordem de S. Francisco. Mas estava dado o impulso. De toda parte acudiam a se alistar na milícia de um Santo, cuja simples aparência dava desejo de trabalhar para a salvação. Não queria, entretanto, Francisco despovoar a sociedade! E depois, tantas almas, retidas no mundo pelos seus deveres de estado, desejavam viver da vida do claustro! Foi para estas almas, desejosas da perfeição cristã, que Francisco fundou a sua “terceira” Ordem, a Ordem Terceira da Penitência. Todos aqueles que quiserem ser verdadeiros cristãos poderão fazer parte dela, quer presos ou não ao estado do Matrimônio.

Qual a vantagem de se alistar na Ordem Terceira?

São as seguintes: 1ª Ela foi instituída por um Santo que tinha recebido do Céu a missão de regenerar o mundo e torná-lo cristão. É o que a Igreja assegura na oração da sua Festa. Ora, foi sobretudo pela Ordem Terceira que S. Francisco infiltrou o espírito cristão nas multidões.

2ª Pelos frutos se deve julgar a árvore, e, no testemunho de muitos Soberanos Pontífices, a Ordem Terceira foi para os séculos que seguiram a sua instituição, uma verdadeira regeneração social. É fato que até hoje conta mais de 300 Santos ou Bem-aventurados.

3ª Ela dá direito a uma proteção especial dos inúmeros Santos das três Ordens de S. Francisco, e a uma mais abundante participação aos frutos das orações, sacrifícios, penitências, trabalhos de toda sorte de cerca de 42.000 Franciscanos da 1ª Ordem, de muitos milhares de Clarissas e de número incalculável de Terceiros.

4ª Os Soberanos Pontífices convidam instantemente os fiéis a entrarem nesta santa milícia. Leão XIII recomenda entrar na Ordem Terceira em quatro Encíclicas endereçadas a toda a Igreja.

5ª Hoje os homens se julgam cristãos, sem ter o espírito de Jesus Cristo. Ora, a graça da Ordem Terceira dá coragem de viver como verdadeiro cristão, de renunciar às máximas do mundo e aos seus costumes anticristãos.

6ª Acrescentem-se a estes motivos os inúmeros privilégios, indulgências, etc., com que aprouve aos Soberanos Pontífices enriquecer a Ordem Terceira de S. Francisco.

Quais são as Obrigações da Regra da Ordem Terceira?

I. Todos os dias. — 1) Rezar doze Padre-Nossos, Ave-Marias e Glória ao Padre, ou então o Ofício Pequeno da Santíssima Virgem, ou o Breviário. 2) Invocar a Deus antes e depois das refeições. 2) Fazer todas as noites, o exame de consciência e pedir perdão a Deus. 4) Ouvir a Missa, “se for possível fazê-lo comodamente”.

II. Todos os meses. — 1) Confessar-se e comungar. 2) Assistir à reunião da Fraternidade, quando se faz parte dela. 3) Dar, segundo os meios, para os Terceiros pobres e doentes, assim como para a capela onde se fazem as reuniões.

III. Todos os anos. — 1) Jejuar no dia 3 de outubro, vigília da festa do Santo Patriarca, e no dia 7 de dezembro, vigília da Imaculada Conceição. 2) Cumprir a satisfação imposta pelo Visitador da Fraternidade pelas transgressões cometidas contra a Regra.

IV. Em todos os tempos. — 1) Usar o hábito da Ordem Terceira: escapulário e corda. 2) Observar, segundo as promessas da Profissão, os mandamentos de Deus e da Regra. 3) Evitar o luxo no vestuário e a elegância mundana. 4) Fugir dos bailes, dos espetáculos perigosos, e de toda assembleia onde o pudor não for acatado. 5) Ser frugal nas bebidas e comidas. 6) Dar o bom exemplo na sua família. 7) Proibir-se, e aos seus subordinados, a leitura dos maus livros e jornais perigosos. 8) Entreter a paz e a caridade com todos e apaziguar discórdias. 9) Não prestar juramento, a menos de necessidade evidente. 10) Não usar linguagem chula, chocarreira ou vil. 11) Nas Fraternidades, aceitar os cargos com humildade e exercê-los com zelo, 12) Em ocasião de morte de cada Terceiro, assistir aos funerais, se for possível; rezar o rosário e fazer a Comunhão na intenção dele.

V. Quando se puder. — Fazer o testamento, a fim de evitar as preocupações no momento da morte e as questões entre os herdeiros.

Observação Importante:

Na Regra da Ordem Terceira nada obriga “sob pena de pecado” , mesmo venial, a não ser nos pontos em que a Regra coincide com a lei divina. Quanto ao jejum e abstinência já se vê que os mesmos motivos que dispensam de abstinência e jejum da Igreja, com mais razão dispensam das penitências impostas pela Regra.

Irmãos e Irmãs da Venerável Ordem Terceira Franciscana, venerando o Santo Sepulcro – em Recife/PE

Jesus Cristo seja louvado! Para sempre! Amém!

Texto extraído do livro: O Espírito da Ordem Terceira Franciscana” por Padre Frei Pedro Batista Gimet, O. F. M. – Tradução de M. Neves – Editora Vozes – 1944